quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

que nem folha seca...

O egocentrísmo é uma coisa muito dificil de deixar de lado... a gente sempre pensa ' eu sou isso... eu vo fazer aquilo...eu,eu....
 Nos achamos fortes e seguros quando as coisas vao bem, mais qualquer mudança e o teatro é descuberto...nao somos mais que uma folha que cai e o vento leva e traz do jeito que ele quer... nao adianta se-achar importante, o centro do universo, é por causa disso que nao da pra falar nunca... hoje estamos aqui e amanha lá a unica coisa que nos resta a fazer (e nao é pouco) é disfrutar do voo... do vento no rostro...

domingo, 6 de fevereiro de 2011

tudo dentro

Nao sei como funciona, mais de algum modo, somos refens de nossa cabeça... nao sei se tem alguma pessoa que nao tenha passado por isso, só duas ou treis horas jé é suficiente pra criar tudo um furacao... o que eu acho mais estranho é que quando passa e tudo se acalma, vemos que nao era nada, fazemos estruturas, predios gigantes que logo depois desaparecem sem deixar rastro...uma e outra vez o fazemos, nao adianta, já estamos quase programados pra isso...a sociabilizaçao...somos uma maquina de calcular...cada dia que pasa fico mais convencido de que a lógica é uma merda

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

14/10/2010






    Sabe quando você já não sabe de mais nada? Quando a sua vida começa a se parecer com aqueles pesadelos onde você corre mais não vai pra lugar nenhum?
Então, assim era como estava me parecendo, parecia que eu estava envolvido numa nevoa, já não conseguia enxergar pra frente. Era só eu e minha mente tentando achar o sentido das coisas. Os claros objetivos e ontem tinham sumido quase que de repente e agora eu estava sufocado.
Quando você tenta mudar tudo,fazer a sua própria Revolução,você se dispõe a lutar contra o que der e vier,se acha confiante,seguro de si mesmo,acredita que dando tudo de si,lutando até o fim você vai chegar lá.
Não importa o quanto você acredite, o forte que sejam as suas convicções... É preciso ver algum resultado. Aí não deu mais pra mim, fui embora, com a cabeça baixa, com vergonha de abandonar meus amigos, minhas lutas, meu país.
Só por dinheiro, só por uma renda fixa que no fim das contas não garante nada. Não consegui me adaptar, não pude continuar as minhas lutas desde aqui, não me sentia com moral suficiente.
E agora mais de dois anos apôs tudo aquilo, estou voltando quase que com as mesmas incertezas que eu trouxe pra cá.
O quê foram esses dois anos? Uma pausa? Ou uma capitulação?
Na verdade eu acho que só vou saber quando chegar lá, quando eu me reencontrar com aquela gente que deixei. Às vezes penso como é que pode tão pouco tempo parecer tanto? Estou achando que passei uma década fora, mas foram sós vinte e quatro meses. Volto ao começo, aqui dentro tudo acontece bem mais de presa.
Mas estou confiante de novo, seja como for, de todos os caminhos eu escolhi este, não se fala mais nisso; agora se trata do futuro.
Porque além do mais não tenho como me arrepender de ter vindo pra cá. A pesar de tudo querendo ou não aprendi muita coisa, agora que de novo estou de partida só me resta levar o melhor daqui, levar um pouquinho de esse calor, de essa energia e mudar tudo, de novo.             

29/01/2011

  As vezes parece que tudo fica quieto, nem avança nem retrocede...é como se só você estivese  agindo, fazendo.
Você chega e o pessoal olha e pensa: "o qué será que déu nele?" você também nao acredita que eles ainda estao aí igual que ontem, e que ante-ontem...
Acontece que as coisas que achamos temos que mudar nao ó fazem, ou pelo menos nao do jeito que queremos, e de tanto procurar essa mudança é a gente que acaba mudando...de um jeito ou de outro acontecee chega uma hora em que o cara nao se reconhece mais...
Pois é, um día você se acha o mais esperto e no outro se acha um idiota...o negocio é parar de uma vez de achar porra nenhuma, temos de ficar perto da maluquicie pra chegar lá, seja onde for... um pouco aconteceu isso comigo, é por causa disso que já nao luto mais.